Cicatrizes

A dor é uma coisa muito esquisita; ficamos desamparados diante dela. É como uma janela que simplesmente se abre conforme seu próprio capricho. O aposento fica frio, e nada podemos fazer senão tremer. Mas abre-se menos cada vez, e menos ainda. E um dia nos espantamos porque ela se foi.”(Do filme Memórias de uma Gueixa)

Dia atrás, queimei minha mão no ferro de passar roupa. Engraçado como qualquer queimadura ou machucado, por menor que seja, incomoda muito e demora a passar a dor.  Pensei com meus botões que iria acompanhar com atenção a evolução daquela queimadura até que ela desaparecesse.

Nos primeiros dias, a vermelhidão. Aos poucos foi formando a casquinha, que a gente tira porque não aguenta esperar que saia sozinha. Depois forma uma espécie de uma nova pele que fica mais grossa e dá pra sentir quando se passa a mão por cima.

Hoje está cicatrizada, ainda saliente e quase desaparecendo. Não sei se a cicatriz irá desaparecer, mas creio que sim. Assim como nossas dores emocionais. Algumas lembramos quando sentimos alguma “saliência” que ficou. Outras desaparecem na memória e nunca mais nos damos conta de que ela um dia existiu.

Anúncios

Sobre necildas

"Eu quase de nada não sei, mas desconfio de muita coisa."
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s